domingo, 27 de novembro de 2016

DE VERDADES E ILUSÕES

"Um homem capaz de destruir ilusões é tanto um animal selvagem quanto uma inundação. As ilusões estão para a alma como a atmosfera para a terra [...]. A verdade nos destrói. A vida é um sonho. É o despertar que nos mata. Aquele que de nós rouba os sonhos também nos rouba a vida [...]."

                                                 VIRGINIA WOOLF
                                                (ORLANDO - p. 190)

AH, O AMOR...

"Porque o amor, ao qual podemos agora retornar, tem duas faces: uma branca, a outra negra; dois corpos: um liso, o outro peludo. Tem duas mãos, dois pés, duas caudas, na verdade dois de cada membro, um o exato oposto do outro. Todavia, estão unidos tão firmemente que é impossível separá-los [...]."


                                           VIRGÍNIA WOOLF
                                          (Orlando - p. 126)

AMOR IMPOSSÍVEL

"Que há de verdade no amor?
A mesma verdade que existe na verdade. Se consome pelo uso. Ou se reforça pela ausência. Ou nem uma coisa nem outra. O mistério permanece e nos espanta sempre.
Para que então falar  no que não se pode perceber?"  


                                                          PEPETELA
                                                   (O planalto e a estepe, p. 52)
Como bem disse Shakespeare:
"Pobre é o amor
Que pode ser contado."


sábado, 29 de outubro de 2016

SEDUÇÃO

A poesia me pega com sua roda dentada, 
me força a escutar imóvel 
o seu discurso esdrúxulo. 
Me abraça detrás do muro, levanta 
a saia pra eu ver, amorosa e doida. 
Acontece a má coisa, eu lhe digo, 
também sou filho de Deus,
me deixa desesperar. 
Ela responde passando 
língua quente em meu pescoço, 
fala pau pra me acalmar, 
fala pedra, geometria, 
se descuida e fica meiga, 
aproveito pra me safar. 
Eu corro ela corre mais, 
Eu grito ela grita mais, 
sete demônios mais forte. 
Me pega a ponta do pé 
e vem até a cabeça, 
fazendo sulcos profundos. 
É de ferro a roda dentada dela. 
                         ADÉLIA PRADO

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

APÊNDICE - MANOEL DE BARROS

1. Ninguém consegue fugir do erro que veio. 
2. Poema é lugar onde a gente pode afirmar que o delírio é uma sensatez. 
3. A limpeza de um verso pode estar ligada a um termo sujo. 
4. Por não ser contaminada de contradições a linguagem dos pássaros só produz gorjeios. 
5. O início da voz tem formato de sol. 
6. O dom de esculpir o orvalho só encontrei na aranha. 
7. Pelos meus textos sou mudado mais do que pelo meu existir. 
8. Não é por fazimentos cerebrais que se chega ao milagre estético senão que por instinto linguístico. 
9. Sabedoria pode ser que seja ser mais estudado em gente do que em livros. 
10. Quem se encosta em ser concha é que pode saber das origens do som. 


                                                 

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A CASA DOS CONTOS

               Éramos três aspirantes a aventureiras. Resolvemos um dia nos embrenhar pelas estradas mineiras a fim de conhecermos cidades históricas e ou famosas por outro motivo. O roteiro estava na cabeça: Ouro Preto, Mariana, Sabará, Congonhas (sugeridas pelas duas) e São Tomé das Letras (indicação minha). Três professoras, as primeiras cidades eram importantes para as três por isso. Uma de nós era historiadora. Prato cheio para suas aulas. Fiquei mais animada quando uma delas (a professora de Língua Portuguesa) disse que em Outro Preto havia a Casa dos Contos. Sem sombra de dúvidas, essa viagem seria especial.
                Saímos em uma manhã de janeiro (não me recordo o ano) cheias de planos. O destino era longe, portanto pernoitamos duas vezes antes de chegar a Ouro Preto. “Eu só dirijo de dia”, disse logo. Todas concordamos que era mais seguro ir sem pressa.
                As estradas de Minas são tortuosas. Lindas! Montanhas pelos caminhos. Muitas curvas. Antes de sairmos do nosso estado, amedrontou-nos uma pesada chuva na Serra da Petrovina. Entretanto, não conseguiu diminuir nosso anseio. Já em Minas, presenciamos um acidente horrendo entre um ônibus e uma carreta que se encontraram em uma curva fechada. Isso também não nos amoleceu. Queríamos chegar às cidades, à cultura mineira, à história, aos contos, causos e às Letras de São Tomé. Fomos provando das comidas mineiras nos restaurantes que parávamos e da hospitalidade invejável daquele povo.
                No terceiro dia, finalmente chegamos à tarde em Ouro Preto. Andamos um pouco. Procuramos uma pousada perto dos museus do centro, jantamos e nos recolhemos sonhando com o outro dia.
                Acordadas e bem dispostas, vimos o sol raiar na cidade histórica. Saímos bem cedo para o tour pelos museus, igrejas e ruas centenárias por onde escravos pisaram aos montes para erguerem as construções portuguesas que saltavam à vista. Caminhando por ali, pensávamos a Inconfidência Mineira, Tiradentes, o poeta inconfidente Cláudio Manoel da Costa, e o mais ilustre morador dessas paragens, o Aleijadinho. Tudo foi devidamente visto, perguntado, investigado pelas três curiosas. Mas faltava ainda um lugar de suma importância para as duas professoras de Português que compunham o grupo: a Casa dos Contos.
                Perguntamos ali pelo centro, alguns não souberam explicar direito, outros nos mostraram alguns caminhos diferentes. Era tarde, resolvemos tomar um rumo e caminhar até lá. Cansadas, estávamos o dia todo em visitações, caminhávamos na ânsia de chegarmos logo e nos refastelarmos lendo alguns contos na Casa.

                Uma pessoa, pelo caminho, disse-nos que provavelmente estaria fechado. Duvidamos, e com o sol gritando sobre nossas cabeças vencemos as ladeiras até chegarmos à frente da Casa. Realmente estava fechada para público. Mas pedimos gentilmente que nos deixassem entrar. Vimos, então, um tanto de dinheiro antigo espalhado em exposição. Estranhamos. Olhamo-nos. Santa ignorância, devemos ter pensado as três. Começamos a rir com um certo desgosto. Havíamos sim encontrado a Casa dos Contos. Dos contos de réis. 

IRREVERSIBILIDADE

"Modificar o passado não é modificar um só facto;
é anular as suas consequências, 
que tendem a ser infinitas. 
Por outras palavras:
é criar duas histórias universais."
Jorge Luis  Borges
(A outra Morte)

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

"SOU QUALQUER COISA DE INTERMÉDIO..."

"SER UM MESMO É CONDENAR-SE À MUTILAÇÃO,
POIS O HOMEM É APETITE PERPÉTUO DE SER OUTRO."
OCTÁVIO PAZ

domingo, 16 de outubro de 2016

FANTASIA...

"AS OBRAS DE ARTE SÃO,
PARA A PSICANÁLISE, 
SONHOS DIURNOS [...]"
Teoria Estética (p.19) - Theodor W. Adorno
Miguel de Cervantes que o diga...

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

NULIDADE

"O país da fantasia é, neste mundo, 
o único que merece ser habitado;
a essência do homem é tão nula 
que só é belo aquilo o que não existe."
Rousseau
 

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

POETAR

"NINGUÉM ESCREVERIA VERSOS
SE O PROBLEMA DA POESIA 
CONSISTISSE EM FAZER-SE
COMPREENSÍVEL."
EUGENIO MONTALE

O POETA...

"ÉS BILINGUE ENTRE COISAS 
DUPLAMENTE AGUDAS, 
TU MESMO ÉS UMA LUTA 
ENTRE TUDO AQUILO QUE LUTA, 
FALANDO NO AMBÍGUO 
COMO ALGUÉM QUE SE DESORIENTOU NA LUTA 
ENTRE AS ASAS E OS ESPINHOS."
SAINT-JOHN PERSE

PROVÁVEL...

"EXISTE UMA CERTA GLÓRIA 
EM NÃO SER COMPREENDIDO."
BAUDELAIRE

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

OCO ESPAÇO

Se eu juntar os buracos cavados no quintal
por suas patinhas teimosas,
não preenchem a cratera aberta em mim pela ausência 
dos seus olhinhos atentos.
E ontem, Luna. Ontem noticiaram a descoberta de um novo planeta neste espaço imenso. Próxima B. Tantos planetas. E penso em você só... 

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

FEL

A intensidade com que você se jogou naquela correnteza feroz
foi a mesma com que corria para os meus braços cansados.
Era sobre uma pedra no meio do rio que se encontrava seu objeto de desejo.
Um pássaro alto, com as pernas alongadas, que fixava o olhar para o fundo.
E você pulou, lutando contra a selvageria da água, em busca de aventura.
Eu a vi submergindo antes de chegar ao pássaro. E me desesperei.
Seu corpo foi desaparecendo diante dos meus olhos aflitos.
Estaquei diante do rio por alguns segundos na esperança de vê-la emergir.
Mas você não voltou.
Em desespero, segui correndo pela margem do rio.
Sonhava encontrá-la abaixo.
Não estava. Que pesadelo!!! Terá ido de novo embora?
Arrancou-se mais uma vez de mim, 
numa cena que meus olhos nunca desejaram ter visto.
A elucubrar, mantive-me diante daquele rio que me roubou.
Por que tanta ferocidade? 
"Devolva-me ela!" - gritei. 
Desisti. Chorei. Amaldiçoei aquele momento.
Senti ódio pela minha fraqueza diante da perda.
Mas de repente vi. Algo lá longe vinha correndo 
novamente para meus braços cansados.
Era você. Com o pelo ainda molhado e a intensidade mesma.
Eu sorri. Você pulou. Mas agora, em mim.
E acordei então com um amargo de fel na alma...

domingo, 14 de agosto de 2016

DOR

"E que dor, se dividida,
fica dor menos doída."
Dizia um livro infantil.
Tudo fazia sentido.
Dividir dor ficaria menos pesaroso.

Mas não. Não é.
"Estamos sós e sem desculpas."
Não quero essa dor. Mas é minha.
Intransferível. Inalienável.
Desgraçadamente minha.

Ainda que a outra sinta dor dilacerante.
Cada qual chora a sua.
Juntas. E sós.

Sem deuses para pedir ajuda.
Não há a quem clamar.

Inunde-se minha face
Porque é só o desejo de agora.

sexta-feira, 29 de julho de 2016

SILÊNCIO

O silêncio fala.
Às vezes mais alto que um grito.
Na literatura os silêncios são tão ou mais importantes que qualquer voz.
Na vida, idem.
Quando falamos, algo fica silenciado.
Não raro, o não-dito é mais importante.
Cabe, então, a quem ouve interpretar. 

O silêncio está nas palavras ditas pelos olhos,
Nos gestos interrompidos,
Nas atitudes inesperadas...
O silêncio por vezes alivia,
Em outras nos abala.

Um resto de vida pode morar ali.


terça-feira, 26 de julho de 2016

CALAR

Minha história tem lacunas. Muitas.
Preciso preenchê-las...

Coragem. Belo vocábulo.
Difícil é a atitude.
Fazê-la ser no sentido literal.
Ter coragem é não temer.
Não andar à sombra de nada.
Despreocupar-se com o que pensa quem se importa com você.

Mas até onde quem se importa com você aceita o que você pensa?

Quem tinha coragem em antigos tempos,
Ia aos campos de batalha.
Dava sua vida por alguma causa.
Não tinha medo de morrer...

A coragem que aqui descrevo
É a de ser o que se deseja.
De pensar diferente de tantos
De não crer em muita coisa, tendo nascido em um ambiente crédulo.
Não seguir a trilha dos matrimônios "normais", num meio tradicional.
Ser de esquerda em uma família pobre que insiste na direita.
A coragem aqui é tão ínfima que nem cabe um texto.

Por fim... É não ter medo do que sua grande família vai dizer.
E você sabe que vai.



segunda-feira, 4 de julho de 2016

EGO

A profundidade do ego às vezes é tamanha que não se percebe o estrago.
Alguns se dão conta tarde, bem tarde.
Esses dias um acontecimento me pôs a refletir sobre meu próprio egoísmo.
Notava, há muito, o tempo levando de mim coisas que eu gostaria que ficassem grudadas.
Amigos, supostos amores, afetos, gente que foi importante na minha caminhada.
Alguns que seguraram com força a mão, quando fragilizada.
E em um tempo marcado por inúmeras formas de contactar pessoas do outro lado do mundo, vivo no conforto da minha alienação.
"- Oi, sumida!" - Dizia o email.
Susto. Surpresa. Uma certa alegria que me invadia quando nos sentávamos para discutir amenidades na época da graduação.
Trocamos telefone. Nos falamos longamente. Deliciosamente.
"- Lembra-se da Fulana?" - risos hoje. Muitos risos.
A Fulana foi uma professora que nos constrangeu em uma aula na faculdade. Com poucas palavras fez com que toda a turma nos olhasse como se fôssemos "estranhas" àquele mundo. E éramos.
A Fulana era o tipo de profissional útil. Ensinou-nos duramente o que não deveríamos fazer com nossos alunos. Nunca. 
"- Se fosse hoje, ela seria processada por mim." - eu disse.
"- Por mim também."
Mas no fundo sabemos que não faríamos isso naqueles tempos, nem que os direitos fossem outros, como hoje. O problema era maior que o comentário da Fulana. Éramos pobres. Desejosas de mundo sem a sombra da família que ainda nos assombrava. E sim, amedrontadas. Tínhamos medo de nós mesmas. Calávamo-nos quando desejávamos gritar, porque talvez o grito pudesse nos sufocar mais que o silêncio.
Para não morrermos em nós, permitíamos os desabafos uma à outra. Segurávamos nossas mãos. E só.
O que eu poderia dizer mais da Fulana? Muito para me eximir da culpa. Mas não posso. Não sou vítima de ninguém e de nada. Sempre estive no lugar que quis. Fiz o que desejei, nas possibilidades.
Não aprendi com a Fulana a não valorizar as pessoas que me apoiaram quando mais precisei. E aprendi.
Tento dizer a mim mesma que é porque se passou muito tempo, somos outras pessoas, mudamos muito. Temos outra vida...
Há dias estou tentando me isentar dessa maldita culpa, mas não consigo. Porque enfiei os olhos e as mãos aqui dentro desejando encontrar o motivo de eu ser displicente assim, e o que encontrei? Não foi a mágoa da Fulana.
Foi meu Ego. Maldito!!!





domingo, 3 de julho de 2016

LIVRO INVADIDO

Era só uma lagartixa.
Um bebê de lagartixa. 
Quando peguei o livro, ela estava passeando por ele. 
Joguei-o no chão com a invasora, que caiu desesperada. Senti asco. 
Tenho ojeriza a qualquer bicho rastejante.
Pensei em matá-la para nunca mais se atrever a tentar decodificar as escritas.
Mudei de ideia repentinamente enxergando-a como um bebê.
Desprotegida, me olhava com pavor. Ou seria rancor?
Teria nojo de humanos?
Pareço ter notado certo desprezo naquele olhar.
Desprezo por mim que sou dona do espaço no qual ela passeou?
Enquanto matutava sobre o destino da pequena, 
esta se embrenhou pelos outros livros do mesmo lugar.
Em breve a reencontrarei no meio deles. 
Mas corro o risco de que ela esteja maior e tenha lido muito até isso acontecer...
E se a pequena me convencer de que os humanos é que são nojentos e não ela?
Bem provável isso acontecer depois das leituras e dos argumentos.
Se bem que não precisará de muitos...